Especial John Green | #BEDA6

Hey pessoas!!

 

Estou aqui hoje, no sexto dia do BEDA pra falar sobre os livros do meu querido John Green!!. Vou comentar de cada um dos livros publicados do autor aqui pra vocês.

wpid-wp-1427290575228.jpeg

Sei que muita gente não gosta dele, e que muita gente gosta, e eu sou uma daquelas que gosta, e quero tentar fazer quem não gosta dar um chance pra ele

 

O mais famoso e conhecido livro do John é “A Culpa é das Estrelas”, e essa foi a primeira obra que li do autor.

wpid-wp-1427290685463.jpeg

Publicado em 2012, o livro é o sexto romance que John escreveu. A história é narrada por uma paciente com câncer de 16 anos de idade, chamada Hazel Grace, que é forçada por seus pais a participar de um grupo de apoio, o qual ela não quer comparecer, mas depois acaba aceitando, mesmo contra sua vontade. E então, nesse grupo de apoio acontecem coisas que vão tornar a vida da Hazel diferente.

Bom, eu li o livro faz um tempo já, se não me engano foi a pelo menos uns dois anos, mas me recordo de como me acostumei fácil com a escrita do autor e de como me envolvi rápido com a história. Esse é o meu livro favorito dele, eu chorei, ri, me encantei, vi uma realidade na qual não estou acostumada, que é o câncer e de como ele traz mudanças para a vida das pessoas, e afins. Ele é realmente muito bom, e eu o recomendo para todo mundo… quem soube sobre o livro na época em que o filme foi divulgado pode ter um certo preconceito e talz, o livro acabou virando “modinha” e muitas pessoas o criticam, mas pessoal, “A Culpa é das Estrelas” é muito bom, de verdade, leiam e tirem suas conclusões.

 

O segundo livro que li, e que está entre os meus favoritos, assim como “A Culpa é das Estrelas”, é a obra “Cidades de Papel”, que também recebeu uma adaptação cinematográfica.

wpid-wp-1427290661628.jpeg

Esse é o quarto romance do John Green, e foi publicado em outubro de 2008.

Essa história vai falar sobre Quentin Jacobsen, que tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Eles então tem uma noite cheia de aventuras, e um novo dia se inicia, Quentin vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele achava que conhecia.

Eu lia esse livro já pensando em como seria o filme dele (e olha que eu nem tinha esperanças na época para que isso se tornasse realidade, eles não tinham nem falado da adaptação de “A culpa é das estrelas”), e eu achava o máximo as loucuras da Margo e as coisas que os outros personagem viveram no decorrer da história. Achei super ‘estilo americano de ter diversão’, e simplesmente me apaixonei pelo livro. E o John Green traz toda uma carga de pensamentos e interpretações da vida nessa obra, o que a deixa com um significado mais forte.

Mega recomendo “Cidades de Papel”!!

 

 

O terceiro livro que li foi “Quem é você, Alasca?” e gostei demais (e muita gente não gosta =/ ). Ele tem um pouco da pegada ‘vida estadunidense’, que acho super legal.

wpid-wp-1427290706832.jpeg

No livro, Miles Halter vivia uma vidinha sem graça e sem muitas emoções (ou amizades) na Flórida. Ele tinha um gosto peculiar: memorizar as últimas palavras de grandes personalidades da história. Uma dessas personalidades, François Rabelais, um escritor do século XVI, disse no leito de morte que ia em “busca de um Grande Talvez”. Para não ter que esperar a morte para encontrar seu Grande Talvez, Miles decide fazer as malas e partir. Ele vai para a Escola Culver Creek, um internato no ensolarado Alabama. E é ai que tudo começa.

Desde o começo do livro sabemos que algo vai acontecer, e gente, quando acontece você fica sem palavras. Acho que esse é um dos livros mais ‘pesado’ do John, porque trata de algo forte e real. Tenho uma amiga que disse que nunca leria de novo esse livro, mas eu faria uma releitura com certeza, acho a obra maravilhosa.

Haaa… e temos um monte de capas diferentes pra esse livro! Confiram!

 

wpid-wp-1427290591004.jpeg

O quatro livro que li foi “Deixe a neve cair”, que tras três contos meio que natalinos, um do John Green, um da Maurren Johnson e um da Lauren Myracle. Bom, não tem muito o que dizer sobre as histórias, mas cada uma delas são contos de amor, com direito a armadilhas do destino e beijos de tirar o fôlego. E provam que o amor verdadeiro pode acontecer quando e onde menos se espera.

O livro é bem de boa e tem suas partes engraçadas. Vale a pena ler, principalmente na época de Natal.

 

“O Teorema Katherine” foi o quinto livro na minha lista do John, e mesmo com muuuitas criticas negativas a respeito dele, eu li de qualquer jeito e olha, acho que é exagero do povo. O livro não é tão legal, mas não é algo a ser jogado fora. Ele fala sobre Colin, (que só namorou Katherines) que após seu mais recente e traumático pé na bunda, resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã (isso é um carro kkk), com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-garoto prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, com pura matemática, o desfecho de qualquer relacionamento.

wpid-wp-1427290639167.jpeg

A unica parte que achei chata, e que todo mundo critica, é que o livro traz muitas explicações matemáticas, o que acaba deixando alguns trechos bem chatinhos e cansativos. Mas eu não desanimei por causa disso não, eu simplesmente não dava muita atenção para as partes de exatas, e curtia o resto.

 

E por ultimo, li “Will & Will”, livro do John com o David Levithan. Esse é um livro que aborda um tema um pouco mais diferenciado, fala sobre homosexualidade.

wpid-wp-1427290617848.jpeg

No livro, Will Grayson encontra… Will Grayson. Os dois adolescentes dividem o mesmo nome. E, aparentemente, apenas isso os une. Mas mesmo circulando em ambientes completamente diferentes, os dois estão prestes a embarcar em um aventura de épicas proporções. O mais fabuloso musical a jamais ser apresentado nos palcos politicamente corretos do ensino médio.

Essa obra foge um pouquinho do que estamos habituados a ler, ainda mais pelo livro ficar variando, sendo cada capitulo de um autor.

Will & Will, pra mim, foi uma ótima leitura e me trouxe uma nova visão. Não possuo qualquer tipo de preconceito com a homosexualidade, mas esse não é um assunto no qual estou acostumada entre as milhas leituras, e eu adorei ter tido essa experiência.

 

…e é isso gente! Todos os livros do John Green aqui pra vocês.

Espero que tenham gostado e que tenham vontade de conhecer essas obras. Quem já leu, dê a sua opinião nos comentários, e quem ainda não, pergunte o que quiser também.

 

Beijinhos… até a próxima!!

Anúncios

3 comentários

  1. a culpa e das estrelas, eu nunca tive aquela vontade enorme de ler sabe???, agora cidade de papel to louca pra ler, todo mundo fala muito bem desse livro, espero que seja tudo isso mesmo kkkk, ameii adoro post de livros que assim eu fico mais bem informada hahahaha, parabens e sucesso ❤

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s